Main Menu


CURSO DE NR 05

CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
Capacitar membros da CIPA para desenvolverem suas atribuições com foco em ações de prevenção.

NR 6 – EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

Utilização do equipamento de proteção individual (EPI).


CURSO DE NR 07

Primeiros Socorros
Ensinar aos participantes técnicas de primeiros socorros/atendimento pré hospitalar em diversos cenários.
NR 10 SEP – Segurança no Sistema Elétrico de Potência

CURSO DE NR 10 SEP

Riscos Elétricos
Capacitar trabalhadores em NR 10 SEP – Segurança no Sistema Elétrico de Potência
CURSO DE NR 10 Riscos Elétricos Capacitar trabalhadores para Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade conforme NR 10

CURSO DE NR 10

Riscos Elétricos
Capacitar trabalhadores para Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade conforme NR 10
CURSO DE NR 11 Veículos Industriais Capacitar operadores a trabalhar com segurança e prevenção na movimentação de carga em diversos segmentos

CURSO DE NR 11

Veículos Industriais
Capacitar operadores a trabalhar com segurança e prevenção na movimentação de carga em diversos segmentos


NR 11 – OPERADOR DE GUINDAUTO – MUNCK

Diversos seguimentos de carga e descarga de materiais, empilhamento por processo mecanizado, que além de capacitar, instrui sobre o gerenciamento de riscos dos colaboradores.


NR 11- HILO TOMBADOR

Operar com segurança, equipamento responsável por meio de tração, pela elevação de cargas e materiais de difícil locomoção como é o caso do hilo tombador.


NR 11- OPERAÇÃO DE PONTE ROLANTE E TALHA ELÉTRICA

Funcionamento e manutenção, técnicas de correto manuseio da máquina e possibilitar noções sobre a legislação e suas atribuições no local de trabalho.
CURSO DE NR 12 Segurança em Máquinas e Equipamentos Operação, manutenção, e intervenções. Engenharia - Interpretação e capacitação.

CURSO DE NR 12

Segurança em Máquinas e Equipamentos
Operação, manutenção, e intervenções. Engenharia - Interpretação e capacitação.


NR 18 – SEGURANÇA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Medidas de segurança necessárias nas condições e no meio ambiente de trabalho na indústria da construção.


NR 20 – SEGURANÇA COM LÍQUIDOS E INFLAMÁVEIS – BÁSICO

Gestão de segurança e saúde no trabalho contra os fatores de risco de acidentes provenientes das atividades de produtos inflamáveis.


NR 20 – SEGURANÇA COM LÍQUIDOS E INFLAMÁVEIS – AVANÇADO II

Gestão de segurança e saúde no trabalho contra os fatores de risco de acidentes provenientes das atividades de produtos inflamáveis.


NR 20 – SEGURANÇA COM LÍQUIDOS E INFLAMÁVEIS – ESPECÍFICO

Gestão de segurança e saúde no trabalho contra os fatores de risco de acidentes provenientes das atividades de produtos inflamáveis.


NR 20 – SEGURANÇA COM LÍQUIDOS E INFLAMÁVEIS – INTERMEDIÁRIO CLASSE I

Gestão de segurança e saúde no trabalho contra os fatores de risco de acidentes provenientes das atividades de produtos inflamáveis.


NR 20 – SEGURANÇA COM LÍQUIDOS E INFLAMÁVEIS – INTERMEDIÁRIO CLASSE III

Gestão de segurança e saúde no trabalho contra os fatores de risco de acidentes provenientes das atividades de produtos inflamáveis.


NR 31 – CIPATR COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO A ACIDENTES DO TRABALHO RURAL

O treinamento CIPATR é um dos principais meios de estabelecer o diálogo e a conscientização entre empresas e colaboradores.


NR 31 – APLICAÇÃO DE AGROTÓXICO

Capacita profissionais para atuarem em exposições diretas, manipulando agrotóxicos adjuvantes e produtos afins em qualquer uma das etapas de armazenamento, transporte, preparo, aplicação, descarte e descontaminação de equipamentos e vestimentas.


NR 31 – MÁQUINAS EQUIPAMENTOS

Noções sobre acidentes e doenças decorrentes da exposição aos riscos existentes em máquina, implementos e utilização adequados, de acordo com as normas técnicas.
CURSO DE NR 33 Espaços Confinados Avaliação, monitoramento e controle dos riscos, garantindo a segurança e saúde dos trabalhadores.

Avaliação, monitoramento e controle dos riscos, garantindo a segurança e saúde dos trabalhadores.


CURSO DE NR 33 VIGIAS

Espaços Confinados
Avaliação, monitoramento e controle dos riscos, garantindo a segurança e saúde dos trabalhadores.


NR 33 – SEGURANÇA EM ESPAÇO CONFINADO – SUPERVISOR

A certificação é obrigatória para o profissional assinar permissão de entrada (PET).

GESTÃO DE TREINAMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO

Conheça abaixo tudo sobre treinamentos de Segurança do Trabalho

Cursos Online EAD Segurança do Trabalho - Conheça nossa grade completa de cursos EAD aqui

Entenda o que a legislação menciona sobre as questões legais dos cursos de Segurança do Trabalho.

Vejamos o que a NR 01 atualizada nos traz, veja:

NORMA REGULAMENTADORA N.º 01 - DISPOSIÇÕES GERAIS

1.6 Capacitação e treinamento em Segurança e Saúde no Trabalho

1.6.1 O empregador deve promover capacitação e treinamento dos trabalhadores em conformidade com o disposto nas NR. 1.6.1.1 Ao término dos treinamentos inicial, periódico ou eventual, previstos nas NR, deve ser emitido certificado contendo o nome e assinatura do trabalhador, conteúdo programático, carga horária, data, local de realização do treinamento, nome e qualificação dos instrutores e assinatura do responsável técnico do treinamento.

1.6.1.2 A capacitação deve incluir:
a) treinamento inicial;
b) treinamento periódico; e
c) treinamento eventual.

1.6.1.2.1 O treinamento inicial deve ocorrer antes de o trabalhador iniciar suas funções ou de acordo com o prazo especificado em NR.

1.6.1.2.2 O treinamento periódico deve ocorrer de acordo com periodicidade estabelecida nas NR ou, quando não estabelecido, em prazo determinado pelo empregador.

1.6.1.2.3 O treinamento eventual deve ocorrer:
a) quando houver mudança nos procedimentos, condições ou operações de trabalho, que impliquem em alteração dos riscos ocupacionais;
b) na ocorrência de acidente grave ou fatal, que indique a necessidade de novo treinamento
c) após retorno de afastamento ao trabalho por período superior a 180 (cento e oitenta) dias.
1.6.1.2.3.1 A carga horária, o prazo para sua realização e o conteúdo programático do treinamento eventual deve atender à situação que o motivou.

1.6.1.3 A capacitação pode incluir:
a) estágio prático, prática profissional supervisionada ou orientação em serviço;
b) exercícios simulados; ou
c) habilitação para operação de veículos, embarcações, máquinas ou equipamentos.

1.6.2 O tempo despendido em treinamentos previstos nas NR é considerado como de trabalho efetivo.

1.6.3 O certificado deve ser disponibilizado ao trabalhador e uma cópia arquivada na organização.

1.6.4 A capacitação deve ser consignada nos documentos funcionais do empregado.

1.6.5 Os treinamentos previstos em NR podem ser ministrados em conjunto com outros treinamentos da organização, observados os conteúdos e a carga horária previstos na respectiva norma regulamentadora. Aproveitamento de conteúdos de treinamento na mesma organização.

1.6.6 É permitido o aproveitamento de conteúdos de treinamentos ministrados na mesma organização desde que:
a) o conteúdo e a carga horária requeridos no novo treinamento estejam compreendidos no treinamento anterior;
b) o conteúdo do treinamento anterior tenha sido ministrado no prazo inferior ao estabelecido em NR ou há menos de 2 (dois) anos, quando não estabelecida esta periodicidade; e
c) seja validado pelo responsável técnico do treinamento.

1.6.6.1 O aproveitamento de conteúdos deve ser registrado no certificado, mencionando o conteúdo e a data de realização do treinamento aproveitado.

1.6.6.1.1 A validade do novo treinamento passa a considerar a data do treinamento mais antigo aproveitado. Aproveitamento de treinamentos entre organizações.

1.6.7 Os treinamentos realizados pelo trabalhador poderão ser avaliados pela organização e convalidados ou complementados.

1.6.7.1 A convalidação ou complementação deve considerar:
a) as atividades desenvolvidas pelo trabalhador na organização anterior, quando for o caso;
b) as atividades que desempenhará na organização;
c) o conteúdo e carga horária cumpridos;
d) o conteúdo e carga horária exigidos; e
e) que o último treinamento tenha sido realizado em período inferior ao estabelecido na NR ou há menos de 2 (dois) anos, nos casos em que não haja prazo estabelecido em NR.

1.6.8 O aproveitamento de treinamentos anteriores, total ou parcialmente, não exclui a responsabilidade da organização de emitir a certificação da capacitação do trabalhador, devendo mencionar no certificado a data da realização dos treinamentos convalidados ou complementados.

1.6.8.1 Para efeito de periodicidade de realização de novo treinamento, é considerada a data do treinamento mais antigo convalidado ou complementado.

Dos treinamentos ministrados na modalidade de ensino a distância ou semipresencial.

1.6.9 Os treinamentos podem ser ministrados na modalidade de ensino a distância ou semipresencial desde que atendidos os requisitos operacionais, administrativos, tecnológicos e de estruturação pedagógica previstos no Anexo II desta NR.

1.6.9.1 O conteúdo prático do treinamento pode ser realizado na modalidade de ensino a distância ou semipresencial desde que previsto em NR específica.


5. Requisitos tecnológicos

6. Glossário

1. Objetivo
1.1 Estabelecer diretrizes e requisitos mínimos para utilização da modalidade de ensino a distância e semipresencial para as capacitações previstas nas NR, disciplinando tanto aspectos relativos à estruturação pedagógica, quanto exigências relacionadas às condições operacionais, tecnológicas e administrativas necessárias para uso desta modalidade de ensino.

2. Disposições gerais

2.1 O empregador que optar pela realização das capacitações por meio das modalidades de ensino a distância ou semipresencial poderá desenvolver toda a capacitação ou contratar empresa ou instituição especializada que a oferte, devendo em ambos os casos observar os requisitos constantes deste Anexo e da NR-01.

2.1.1 A empresa ou instituição especializada que oferte as capacitações previstas nas NR na modalidade de ensino a distância e semipresencial deve atender aos requisitos constantes deste Anexo e da NR-01 para que seus certificados sejam considerados válidos.

2.2 O empregador, que optar pela contratação de serviços de empresa ou instituição especializada, deve fazer constar na documentação que formaliza a prestação de serviços a obrigatoriedade pelo prestador de serviço do atendimento aos requisitos previstos neste Anexo e nos itens relativos à capacitação previstos nas NR.

2.3 As capacitações que utilizam ensino a distância ou semipresencial devem ser estruturadas com, no mínimo, a duração definida para as respectivas capacitações na modalidade presencial.

2.4 A elaboração do conteúdo programático deve abranger os tópicos de aprendizagem requeridos, bem como respeitar a carga horária estabelecida para todos os conteúdos.

2.5 As atividades práticas obrigatórias devem respeitar as orientações previstas nas NR e estar descritas no Projeto Pedagógico do curso.


3.1 Sempre que a modalidade de ensino a distância ou semipresencial for utilizada, será obrigatória a elaboração de projeto pedagógico que deve conter:

a) objetivo geral da capacitação;
b) princípios e conceitos para a proteção da segurança e da saúde dos trabalhadores, definidos nas NR;
c) estratégia pedagógica da capacitação, incluindo abordagem quanto à parte teórica e prática, quando houver;
d) indicação do responsável técnico pela capacitação;
e) relação de instrutores, quando aplicável;
f) infraestrutura operacional de apoio e controle;
g) conteúdo programático teórico e prático, quando houver;
h) objetivo de cada módulo;
i) carga horária;
j) estimativa de tempo mínimo de dedicação diária ao curso;
k) prazo máximo para conclusão da capacitação;
l) público alvo;
m) material didático;
n) instrumentos para potencialização do aprendizado; e
o) avaliação de aprendizagem.

3.2 O projeto pedagógico do curso deverá ser validado a cada 2 (dois) anos ou quando houver mudança na NR, procedendo a sua revisão, caso necessário.

Requisitos operacionais e administrativos

4.1 O empregador deve manter o projeto pedagógico disponível para a inspeção do trabalho, para a representação sindical da categoria no estabelecimento e para a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA.

4.1.1 A empresa ou instituição especializada deve disponibilizar aos contratantes o projeto pedagógico.

4.2 Deve ser disponibilizado aos trabalhadores todo o material didático necessário para participar da capacitação, conforme item 3.1 deste Anexo.

4.3 Devem ser disponibilizados recursos e ambiente que favoreça a concentração e a absorção do conhecimento pelo empregado, para a realização da capacitação.

4.4 O período de realização do curso deve ser exclusivamente utilizado para tal fim para que não seja concomitante com o exercício das atividades diárias de trabalho.

4.5 Deve ser mantido canal de comunicação para esclarecimento de dúvidas, possibilitando a solução das mesmas, devendo tal canal estar operacional durante o período de realização do curso.

4.6 A verificação de aprendizagem deve ser realizada de acordo com a estratégia pedagógica adotada para a capacitação, estabelecendo a classificação com o conceito satisfatório ou insatisfatório.

4.6.1 A avaliação da aprendizagem se dará pela aplicação da prova no formato presencial, obtendo, dessa forma, o registro da assinatura do empregado, ou pelo formato digital, exigindo a sua identificação e senha individual.

4.6.2 Quando a avaliação da aprendizagem for online, devem ser preservadas condições de rastreabilidade que garantam a confiabilidade do processo.

4.6.3 O processo de avaliação da aprendizagem deve contemplar situações práticas que representem a rotina laboral do trabalhador para a adequada tomada de decisões com vistas à prevenção de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho.

4.7 Após o término do curso, as empresas devem registrar a realização do mesmo, mantendo o resultado das avaliações de aprendizagem e informações sobre acesso dos participantes (logs).

4.7.1 O histórico do registro de acesso dos participantes (logs) deve ser mantido pelo prazo mínimo de 2 (dois) anos após o término da validade do curso.
Requisitos tecnológicos

5.1 Somente serão válidas as capacitações realizadas na modalidade de ensino a distância ou semipresencial que sejam executadas em um Ambiente Virtual de Aprendizagem apropriado à gestão, transmissão do conhecimento e à aprendizagem do conteúdo.

Treinamentos de Segurança do Trabalho

Somos especialistas na aplicação de Treinamentos de Segurança do Trabalho. Entre em contato clicando aqui.

Atendemos em todo o território nacional. Contamos com uma ampla variedades de treinamentos de segurança do trabalho.

Pensando no atendimento dos treinamentos exigidos no programa do Governo que é o E-social iremos explicar cada um deles no artigo abaixo, veja:

22 treinamentos que devem ser descritos no e-Social

No início de julho de 2019, o Governo Federal anunciou que o e-Social será substituído por uma nova versão já em 2020.

Com as novas datas previstas para o e-Social, as empresas ganharam mais tempo para preparar os dados relativos à saúde e segurança dos trabalhadores. Uma das informações que necessita atenção por parte dos responsáveis diz respeito aos treinamentos previstos nas Normas Regulamentadoras (NR), que devem ser inseridos no evento S-2200.

São 22 possíveis capacitações a serem realizadas de forma obrigatória, que variam de acordo com a área da empresa ou o tipo de trabalho realizado.

O que é necessário informar?

Durante o preenchimento do e-Social, será necessário repassar os seguintes aspectos sobre os treinamentos obrigatórios:

1. Nome e ementa (descrição) do treinamento;
2. Nome da instituição/empresa/profissional que realizou o treinamento;
3. Período de realização;
4. Carga horária.

Treinamentos exigidos pelas NRs

Uma das obrigações geradas pelas Normas Regulamentadoras é a realização de treinamentos para profissionais que se expõe a determinados riscos e que, por consequência, enfrentam um maior potencial de acidente ou adoecimento. Abaixo está a lista de todas as NRs que necessitam atenção e quais funcionários devem participar dos treinamentos em cada uma delas:

• NR-1: Ordem de Serviço

Todos os colaboradores antes de ingressar nas atividades da função e cargo, deve obrigatoriamente ser treinado no documento denominado Ordem de Serviço, no qual consta todos os riscos e as medidas de controles.

• NR-5: CIPA (Comissão Interna de Prevenção de acidentes)
Todos os membros eleitos das empresas que são obrigadas a constituir CIPA (ver Quadro I, em anexo na norma) e a pessoa que foi designada em todas as demais empresas.

• NR-6: EPI (Equipamento de Proteção Individual)
Todos os trabalhadores que utilizam EPIs em suas rotinas de trabalho.

• NR-9: PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais)
Todos os trabalhadores devem ser treinados sobre os procedimentos que asseguram a eficiência do PPRA e devem possuir informações sobre as eventuais limitações de proteção.

• NR-10: Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade
Trabalhadores que lidam direta ou indiretamente com rede elétrica de baixa ou alta tensão.

• NR-11: Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais
Operadores de equipamentos de transporte com força motriz própria.

• NR-12: Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos
Todos os operadores de máquinas e equipamentos, com foco na utilização segura de cada um dos meios usados.

• NR-13: Caldeiras

• NR 13: Vasos de Pressão e Tubulação
Empresas que possuem qualquer um desses equipamentos deve promover treinamento a todos os operadores para habilitá-los e garantir uma operação segura.

• NR-15: Atividades e Operações Insalubres
Trabalhadores que lidam com manganês e seus compostos, poeiras minerais (como o asbesto) e benzeno devem receber treinamento.

• NR-16: Atividades e Operações Perigosas
Empregados expostos à rede elétrica de alta tensão devem receber treinamento em equipamentos ou instalações com acesso ao Sistema Elétrico de Potência (SEP) – energizados ou desenergizados – com possibilidade de energização acidental ou por falha operacional.

• NR-17: Ergonomia
Funcionários designados para trabalhar com transporte manual de cargas (que não as leves), operadores de check out e operadores de telemarketing precisam passar por treinamentos específicos.

• NR-18: Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção
Pessoas que trabalham com construção civil e prestadores de serviço em canteiros de obras.

• NR-19: Explosivos
Empresas que manipulam ou utilizam explosivos em sua planta devem realizar treinamentos e exercícios anuais envolvendo todos os trabalhadores e a brigada de incêndio.

• NR-20: Segurança e Saúde no Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis
Profissionais que manuseiam esses materiais devem receber treinamento para utilização segura destes compostos químicos.

• NR-22: Segurança e Saúde Ocupacional na Mineração

• NR-23: Brigada de Incêndio

• NR-29: Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho Portuário

• NR-30: Segurança e Saúde no Trabalho Aquaviário

• NR-31: Segurança e Saúde no Trabalho em Agricultura, Pecuária, Silvicultura, Exploração Florestal e Aquicultura

• NR-32: Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde

• NR-33: Segurança e Saúde no Trabalho em Espaços Confinados - SUPERVISORES
• NR-33: Segurança e Saúde no Trabalho em Espaços Confinados - TRABALHADORES E VIGIAS
Empregados que atuem em espaços confinados devem receber treinamentos adequados para tal atividade.

• NR-34: Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção, Reparação e Desmonte Naval

• NR-35: Trabalho em altura

Trabalhadores que precisam realizar qualquer atividade em altura precisam ser capacitados.

NR-36: Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados

Empresas desses setores devem realizar treinamentos específicos sobre a área para todos os seus funcionários, capacitando-os para atuar de forma segura em todos os possíveis cenários.


Treinamentos de Segurança, qual sua importância?

Descubra quais os benefícios que o treinamento de segurança pode trazer para o dia a dia dos trabalhadores e da sua empresa.

A melhor maneira de prevenir acidentes no dia a dia dos trabalhadores é manter o ambiente de trabalho seguro contra riscos. Parte dessa prevenção do dia a dia está relacionada a importância dos treinamentos de segurança do trabalho.

Os treinamentos realizados sobre segurança do trabalho envolvem também a conscientização dos colaboradores e empregadores a respeito do cumprimento e adequação das determinações impostas pelas legislações vigentes, como as normas regulamentadoras (NRs).

TREINAMENTOS DE SEGURANÇA: COMPREENDA A IMPORTÂNCIA

Ao se realizar um treinamento com foco em segurança do trabalho, a empresa tem como objetivo compartilhar seu conhecimento sobre os procedimentos adotados para a execução de determinada função durante o dia a dia de trabalho.

Ou seja: ensinar de maneira fácil e rápida para todos os colaboradores envolvidos os procedimentos que devem ser tomados antes, durante e após a execução de um trabalho.

Por ser uma área de conhecimento muito amplo, a segurança do trabalho envolve diversas áreas profissionais, o que traz um grande conhecimento sobre o assunto pelos mais variados pontos de vista.

Dessa forma, até os treinamentos de segurança do trabalho específicos têm diversos temas abordados, o que exige uma equipe com profissionais de diversas áreas para a aplicação do treinamento.

AS VANTAGENS DOS TREINAMENTOS

PARA O EMPREGADOR – O desenvolvimento e a aplicação de treinamentos de segurança são de extrema importância para se criar uma cultura de segurança na empresa. Além disso, o treinamento é uma obrigação legal do empregador para com seus funcionários.

PARA OS COLABORADORES – O treinamento para os colaboradores é a melhor ferramenta de prevenção de acidentes em uma empresa. Dessa forma os trabalhadores podem compreender os procedimentos necessários para a execução correta e segurança do seu trabalho, sempre visando a proteção e integridade dos trabalhadores.

VANTAGENS GERAIS – Redução de custos, maior produtividade dos colaboradores, melhor capacitação de funcionários, bem-estar e segurança no ambiente de trabalho, melhoria na qualidade do produto e do serviço executado, redução no índice de acidentes de trabalho, envolvimento dos colaboradores com a segurança e saúde no próprio ambiente de trabalho.

Dentre os inúmeros treinamentos existentes, os que envolvem as Normas Regulamentares e processos de trabalho são os mais comuns.

A segurança no trabalho deve ser um pilar inegociável para qualquer equipe gestora. Nesse sentido, é necessário investir na melhor infraestrutura, que respeite as normas de segurança e coloque à disposição dos empregados os equipamentos que vão garantir um trabalho mais seguro.

Além disso, é importante também investir em treinamento de segurança do trabalho para qualificar os funcionários nos mais variados temas, por exemplo ensinando como usar os EPIs e EPCs, como manusear as máquinas corretamente e como evitar acidentes, etc...

Em que consiste o treinamento de segurança do trabalho

O treinamento de segurança do trabalho é uma forma de orientar o funcionário a exercer suas atividades de maneira segura e consciente, evitando riscos e sabendo como proceder diante de uma situação perigosa ou de um acidente já concretizado.

A importância e as vantagens do treinamento

O treinamento de segurança do trabalho visa ensinar de forma rápida e simples os procedimentos a adotar antes, durante e depois de cada atividade realizada na empresa. Dessa forma, o dia a dia do trabalho se desenvolve com mais segurança e produtividade, permitindo que o elemento humano se ajuste ao ambiente e vice-versa.

O treinamento de segurança do trabalho traz vantagens para todos. O empregador pode desenvolver uma cultura organizacional de segurança para sua empresa, a partir da aplicação dos treinamentos. Já os funcionários usufruem de uma ferramenta preciosa para a prevenção de acidentes de trabalho, conservando sua integridade física e saúde.

Entre as vantagens gerais, destacam-se:

  • Redução de custos;

  • Maior produtividade;

  • Otimização da qualidade dos produtos/serviços;

  • Capacitação dos empregados;

  • Segurança no local de trabalho;

  • Engajamento dos funcionários com a segurança;

  • Diminuição de acidentes de trabalho.

Como engajar os funcionários

Para garantir a participação dos funcionários no treinamento de segurança do trabalho, o gestor de RH deve ser paciente, já que essa tarefa pode não ser fácil e o engajamento de todos pode demorar até mais de 1 ano. Convém ainda envolver os diretores e gerentes da empresa, pois a participação deles ajuda a estimular os funcionários.

É preciso também explicar aos funcionários as razões pelas quais eles devem participar do treinamento, mostrando as vantagens que ele oferecerá. O gestor de RH deve estar totalmente acessível, pronto para tirar dúvidas e orientar todos.

Reuniões diárias, que sejam curtas e objetivas, ajudam os funcionários a conhecer melhor as normas de segurança e a praticá-las no dia a dia.

Os tipos de treinamento

Existem diferentes tipos de treinamento de segurança do trabalho que podem ser oferecidos:

  • Treinamento de integração ou admissional (integra o novo funcionário ao ambiente de trabalho, aos equipamentos que ele vai usar, aos riscos);

  • Treinamento de conscientização (conscientiza os funcionários da importância de seguir as normas de segurança);

  • Análise de riscos (gerencia os riscos, antecipando os problemas);

  • Cultura preventiva (dissemina a ideia de que a prevenção é a melhor solução);

  • Segurança online (uso correto das ferramentas digitais);

  • Ergonomia no trabalho (ensina como o funcionário deve se posicionar em relação aos equipamentos e evitar problemas de saúde).


Conheça quais são os principais benefícios de manter em dia os Treinamentos de Segurança do Trabalho

Empregador: Os treinamentos legais são de suma importância para o desenvolvimento e crescimento de qualquer organização. Pois, proporciona as organizações uma maior segurança e controle de seus processos, bem como aprimora procedimentos internos face as atividades operacionais e as obrigações legais.

Empregado: Os treinamentos de Segurança do Trabalho colaboram para o entendimento necessário do profissional quanto a segurança na execução das atividades rotineiras e não rotineiras e, ainda, quanto a importância de preservar a sua saúde e integridade física e a dos demais colaboradores da organização.

É bem claro que a capacitação dos trabalhadores nos treinamentos legais ambientais torna os colaboradores mais aptos para o desenvolvimento do seu trabalho e reduz os riscos de danos ao meio ambiente.

Ainda entre as principais vantagens dos treinamentos de segurança do trabalho e meio ambiente, podemos citar:

  1. Planejamento e redução de custos;
  1. Melhoria da qualidade dos processos;
  1. Aumento da produtividade;
  1. Critério para contratação de prestadores de serviço;
  1. Segurança e bem-estar no ambiente de trabalho;
  1. Eliminação ou redução do índice de acidentes de trabalho;
  1. Motivação e mobilização em prol da saúde e segurança do trabalho;
  1. Redução ou eliminação de indenizações oriundas por acidentes;
  1. Prevenção de Multas e/ou autuações por fiscalizações.
  2. Redução dos danos ambientais.


Contrate uma assessoria especializada

A Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho (SSST) é o órgão vinculado ao MTE voltado para o controle das tarefas ligadas à segurança e saúde ocupacional.

Com o poder de fiscalizar e orientar a respeito da correta implementação da legislação, a SSST penaliza empresas por não cumprirem com as normas.

Dependendo do caso, a secretaria responsável pode embargar obras e até mesmo interditar máquinas, estabelecimentos e equipamentos, definindo prazos para eliminação das condições de riscos aos funcionários.

Por conta de situações como essa, ter uma boa assessoria para a medicina e segurança do trabalho é essencial para toda empresa que queira garantir a execução dos procedimentos de segurança em seus pormenores.

Além da implementação adequada dos processos, a instituição também pode contar com uma padronização das metodologias empregadas, principalmente, no dia a dia de trabalho do RH.

Existe um número muito alto de empresas que não possuem regularização quanto à segurança, desprezando os programas mandatórios e ficando à mercê de problemas que, sem dúvidas, resultarão em perda de dinheiro.

Muitos empresários até conhecem sobre as normas, mas não tem sucesso ao implantá-las na instituição, podendo ser pegos de surpresa pela fiscalização e não terem como lidar com a situação.

Nesses casos, a consultoria de segurança do trabalho surge como aliada fatal para combater a dificuldade apresentada. Por isso, pense duas vezes antes de acreditar que pode lidar com todos os procedimentos necessários sem o apoio de uma equipe profissional especializada.

Primeiros passos para a segurança

Se você trabalha na área de segurança do trabalho, com certeza está consciente do grande desafio que é estimular a cultura da prevenção dentro da empresa de forma dominante.

Para alcançar esse resultado, é preciso esforço e aplicação de técnicas irreversíveis! Quer saber quais as ações essenciais para fazer com que esse conjunto de conceitos se torne cada vez mais forte entre os colaboradores? Então continue acompanhando para descobrir!

Avalie os colaboradores

Acompanhar a saúde física e psicológica dos colaboradores é uma forma de, não apenas demonstrar cuidado, mas também conhecer melhor as pessoas.

Procure realizar exames periódicos e de atendimentos sempre que for possível. Assim, a imagem da empresa como uma entidade que nutre o respeito pelos profissionais crescerá.

Invista em equipamentos de segurança

Como sabemos, as empresas são obrigadas por lei a conceder os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e os Equipamentos de Proteção Coletiva (EPCs) necessários para resguardar a saúde do trabalhador.

Esse passo não pode ser pulado nunca! Confira quais são os equipamentos necessários conforme o ramo da sua empresa e invista. Se for preciso criar regras internas para garantir o bom uso dos itens protetores, vá em frente.

Planeje para prevenir

As ações preventivas sempre serão tidas como verdadeiras aliadas do setor de segurança do trabalho. Afinal de contas, a prevenção é a melhor forma de reduzir o número de acidentes por meio da identificação de riscos.

Para atuar nessa frente, a empresa pode encontrar várias formas de se comunicar com os funcionários.

A Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho (SIPAT) não pode ser o único momento do ano reservado para a conscientização.

Palestras e campanhas abordando assuntos ligados à saúde e prevenção de acidentes não só podem como devem compor o calendário anual do setor.

Avalie o programa de saúde e segurança do trabalho

É comum ver gestores se ocupando com diversas atividades na empresa e deixando de lado a importância da avaliação quanto ao que está sendo executado. Analisar o programa de saúde e segurança com cuidado deve ser tomado como prioridade.

Em busca de melhorias, investigue minuciosamente para saber quais são as fragilidades de segurança e de que forma o departamento conseguirá se aproximar dos funcionários.

Preze pela organização do ambiente

Organizar é um ato primordial. Muitos gestores evitam insistir na organização do ambiente de trabalho dos colaboradores somente para não parecerem chatos.

A verdade é que a ordem no recinto pode evitar inúmeros acidentes. Áreas de passagem devem estar liberadas, o chão sempre limpo, sinalização livre de empecilhos e demais atos similares.

Promova o treinamento necessário

Após identificar os pontos em que os colaboradores precisam de orientação, preocupe-se com a capacitação. Se os EPIs e EPCs não estão sendo utilizados com frequência, por exemplo, demonstre por meio de um treinamento específico qual a real importância de tal atitude.

A prudência e o cuidado são essenciais para a criação de um ambiente seguro. Portanto, se os seus colaboradores não vivem sob tais princípios, é preciso ensiná-los.

Não se esqueça de que treinamentos de primeiros socorros e incêndio são fundamentais para diminuir a proporção de danos que podem ser causados por acidentes trágicos.

Faça manutenções periódicas

A manutenção dos equipamentos e máquinas utilizadas na empresa deve sempre ser levada em consideração.

Dessa maneira, é possível prever que acidentes se concretizem no ambiente de trabalho. Isso por conta da correção em cima dos erros identificados no momento da manutenção.

Documente sempre

Documentar os incidentes ajudará a empresa a não passar pelos mesmos erros. Pelo contrário, os colaboradores poderão tirar uma lição dos momentos difíceis, colaborando uns com os outros.

Faça questão de manter cada ocorrência bem documentada e com descrições claras. Não registre apenas o que aconteceu. Aproveite para ir além ao relatar quem estava envolvido, como o evento desastroso poderia ter sido evitado e quais são os procedimentos recomendados.

Quando mais você estiver por dentro daquilo que acontece na empresa, melhor será o entendimento da realidade local. Caso não seja possível estar sempre presente, peça a ajuda de um colaborador para verificar o cumprimento do treinamento de segurança no trabalho.

Motivando e estimulando a equipe

Não há dúvidas de que a motivação de segurança do trabalho é o fator que faz a diferença na hora de instalar uma cultura de prevenção nas organizações.

Trabalhadores desmotivados e iludidos quanto às questões de saúde e proteção pouco contribuem para a redução de riscos porque, afinal de contas, eles não veem motivos para tal.

Conheça as melhores maneiras de continuar a trabalhar a comunicação com a equipe!

Ouça o outro

Um diálogo é feito pelo falar e ouvir. Assim, o primeiro passo para motivar o seu público interno é se colocar à disposição para entendê-lo. Os colaboradores da instituição não estarão dispostos a falar com quem não quer ouvir, portanto, preocupe-se em se mostrar disponível.

Você pode fazer uso de estratégias simples, como a inserção de uma caixa de sugestões onde há um significativo fluxo de pessoas. Esforce-se para demonstrar que está aberto não apenas para sugestões, mas para reclamações e até mesmo denúncias, se tornando uma verdadeira ouvidoria.

Quanto mais aberto e transparente você for, mais confiança receberá em troca. Busque inspirar credibilidade, manter o sigilo das informações e não confiar em todas as “verdades” que são contadas.

Contrate palestrantes de fora da empresa

Os membros da CIPA não podem ser vistos como os únicos responsáveis pela conscientização quanto à saúde e segurança na empresa.

Contratar palestras e cursos de empresas especializadas pode ser uma opção muito bem recebida para as empresas em que o índice de acidentes é alto.

Se a disseminação de informação útil é necessidade urgente, você pode optar por investir em aulas motivacionais e apresentações mais práticas, demonstrando hábitos saudáveis, conversando sobre o bom uso dos EPIs ou abordando a gestão de riscos.

É muito natural que os colaboradores deem mais atenção ao conteúdo quando o treinamento vem de fora. Por isso, em favor do estímulo requerido, leve isso em conta!

Trabalhe a cultura da equipe

Você já viu um colega de trabalho zombar do outro apenas pelo uso dos EPI’s de maneira mais criteriosa? Pois é. Esse ato é muito comum entre operadores nas indústrias.

Zombarias e comportamentos desse tipo demonstram a primordialidade com que se deve trabalhar a cultura entre a equipe. A postura da empresa não pode ser neutra nesses casos e nem muito agressiva.

O ideal é encontrar o equilíbrio certo para lidar com a situação, entendendo os motivos de todos os envolvidos, evitando polêmicas e tensões.

Demonstre, por meio de um argumento leve, que brincar com a saúde e a vida não faz sentido algum. Busque sempre cortar o mal pela raiz e se preocupe com a transformação do ambiente por meio da conscientização segura.

Ofereça ganhos adicionais

Se você quer trabalhar a motivação de segurança do trabalho, lembre-se que as pessoas costumam se sentir mais estimuladas ao avistarem algum ganho adicional.

Use a criatividade e a imaginação para planejar uma campanha criativa que estipule uma maratona da segurança e da saúde com direito a prêmios. Para isso, esteja alinhado com todos os responsáveis pela segurança do trabalho, além da Diretoria.

Reúna os líderes

Os líderes precisam ser espelhos do interesse da companhia. Aliás, quem está na operação observa o gestor como alguém mais próximo da Diretoria. Tome cuidado para que os líderes da empresa não desvalorizem os seus esforços ao não demonstrarem interesse pela segurança.

A participação ativa da liderança é essencial. Promova reuniões periódicas para reforçar a importância de tratar as normas internas de segurança com o respeito devido.

Os gestores devem ser os primeiros a andar na linha, servindo de exemplo para os outros profissionais. Nas reuniões, você pode aproveitar para discutir as estatísticas de acidentes no trabalho na empresa, assim como métodos para prevenção.

Distribua informação

A boa cartilha com informações sobre segurança no trabalho ainda pode ser útil para conquistar a atenção do seu público. Você pode se alinhar ao setor do marketing interno para elaborar algo chamativo e eficiente.

A partir disso, você pode distribuir o conteúdo para os funcionários, incluindo regras para fins de consulta. Disponibilize os dados mais relevantes em locais estratégicos, como refeitórios e recepções.

Uma boa forma de atrair a atenção de quem está começando a se interessar sobre o assunto é mostrar que o acidente de trabalho vitima não só o trabalhador, como sua família e as pessoas mais próximas.

Quanto mais você puder ajudar as pessoas a entenderem o valor de suas vidas, mais motivação você injetará.

Não se esqueça de que os canais de comunicação interna são um dos maiores aliados da Gestão de Pessoas. Use os murais, materiais impressos e todas as áreas de aviso para manter o assunto da segurança sempre em alta.

Você pode criar conteúdo ao fazer questão de lembrar quais são as principais ações a serem tomadas na rotina da organização.

Seja criativo

Iniciativas motivacionais para conscientização serão bem-vindas a todo tempo. Para isso, é preciso juntar disposição à criatividade.

Uma ideia que surte efeito positivo nas empresas é a ação que muitos chamam de “Amigo da Segurança”. Trata-se de premiar um funcionário com o título de mês em mês.

Dessa forma, você não só estimula esse profissional a dar continuidade à aplicação das normas de segurança, mas também a inspirar os demais colegas. Oferecer um presente para o “Amigo da Segurança” ajuda a fazer com que o reconhecimento não caia no esquecimento entre os colaboradores.

Outra opção vista com frequência é a contagem dos dias em que não ocorreram acidentes de trabalho.

Você pode colocar um placar em um local comum, contabilizando o número de dias em que os profissionais voltaram para suas casas sem sofrer qualquer tipo de acidente no ambiente de trabalho ou a caminho. Seja criativo e tenha o céu como o limite.

Ao garantir a segurança, a saúde e a motivação dos trabalhadores, você fará com que a organização atinja resultados muito mais produtivos. Sem falar no ambiente mais prazeroso para um trabalho sem medo e com riscos reduzidos.

Além de obrigatório, esse tipo de ensino nas empresas é fundamental para a capacitação pessoal dos colaboradores que poderão aprender a reconhecer, avaliar e agir em prol do combate de riscos identificados no ambiente de trabalho.

Entre em contato com para a realização de treinamentos de segurança do trabalho e consultoria técnica especializada.